Israelense preso no Bom Retiro é condenado em Jerusalém por torturar oito crianças

Um homem que dizia ser rabino foi considerado culpado nesta terça-feira de abusar de oito crianças, incluindo uma criança de três anos que apanhou até entrar em coma.

Elior Noam Hen fugiu para o Brasil em 2008, após ser considerado suspeito. Ele foi preso em São Paulo em junho de 2008, e extraditado para Israel em 27 de outubro do ano passado.

Segundo a corte de Jerusalém que o considerou culpado, Hen acreditava que “pequenas crianças são cheias do demônio e apenas a purificação” pode livrá-las desses elementos nocivos –significando que elas deveriam apanhar, ser amarradas e queimadas e comer fezes.

Hen foi descrito como o líder espiritual de um grupo de quatro seguidores, que obedeciam suas ordens de agredir crianças. Na decisão, a corte afirmou que “ele assumiu um papel dominante e ativo nos abusos”.





As oito crianças são todas irmãs, e filhos de uma mulher com quem Hen viveu. O abuso aconteceu há dois anos, e uma das crianças ainda continua em coma.

A mãe das crianças foi sentenciada a cinco anos de prisão em maio, após se declarar culpada de abuso.

Os quatro seguidores de Hen foram condenados, na última semana, a penas de até 20 anos de prisão.

Hen era considerado o mais importante fugitivo de Israel e era procurado desde 2006 pelas autoridades locais. Antes de chegar ao Brasil com sua mulher e seus quatro filhos, em 27 de março passado, ele já havia passado pelo Canadá e pela Espanha. Em São Paulo, foi difícil encontrá-lo porque ele se escondeu no bairro do Bom Retiro (centro de São Paulo).

Fonte: Folha de S. Paulo





Deixe seu comentário